Arquivo do blog

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Rejeitadas assinaturas de apoio ao PSD "A falsificação é escancarada" diz promotor @Reinaldo_Cruz http://yfrog.com/ke0kymj

A Justiça Eleitoral rejeitou mais da metade das assinaturas de uma lista de apoio ao PSD apresentada em Minaçu (366 km de Goiânia). Parte delas era de eleitores que se declararam analfabetos nas últimas eleições. Das 1.645 assinaturas coletadas, apenas 634 foram comprovadas pelo cartório eleitoral da cidade goiana, que tem 31 mil habitantes. Para concorrer em 2012, Kassab tem 75 dias para registrar PSD Ministério Público alerta promotores sobre fraudes em listas do PSD Planalto apoia PSD de olho no Congresso A lista para a criação do partido conta com assinaturas de pessoas que usaram carimbo para votar nas eleições, segundo o promotor de Justiça Rafael Simonetti. Também há casos de assinaturas feitas por uma só pessoa. "A falsificação é escancarada", afirma. O promotor diz que já encaminhou a documentação ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal para que seja aberto um inquérito. O prefeito de Minaçu, Cícero Romão (PSDB), que distribuiu a lista, disse que considera a exclusão de mais de mil registros "natural". Em Goiás, uma das principais lideranças políticas que atua na criação do PSD é o secretário de Educação, Thiago Peixoto (PMDB). Peixoto diz que o processo de coleta é descentralizado e que o partido não tem como ter controle de quem está assinando, "nem se a pessoa está agindo de boa fé". O advogado do PSD no Estado, Danúbio Cardoso, disse que ainda não foi informado oficialmente. Segundo ele, 12.096 assinaturas já foram certificadas no Estado e 35.390 aguardam validação. AMAZONAS No Estado, estão sob suspeita de fraude 1.333 das 2.022 assinaturas em listas do PSD. Pessoas que já morreram e analfabetos constam com os nomes nas listas, segundo a Justiça Eleitoral. O secretário-geral da comissão provisória do PSD, Paulo Radin, disse que o partido repudia as supostas fraudes. Problemas nas listas para a criação do PSD também estão sendo investigados em SP, RJ, SC e PR. Fonte: Folha de S. Paulo